julho 09, 2022

[Sessão Pipoca] É Culpa da Alegria

E aqui estou eu de novo assistindo a um filme totalmente fora das minhas preferências porque o Martin Freeman trabalha nele. Ode to Joy (É Culpa da Alegria). Uma comédia romântica bem água com açúcar que me surpreendeu positivamente e é uma pena que seja tão pouco divulgada.

Sinopse: Charlie sofre de cataplexia, um distúrbio neurológico que causa paralisação súbita quando ele sente alguma emoção forte - em particular, felicidade. Ele desenvolve várias técnicas para se proteger de prazeres e alegrias, mas elas são testadas quando ele conhece a bela e vivaz Francesca. [Fonte: Filmow].

Perfeito demais, gente! Eu não resisto! 😍

Quando eu digo que me surpreendeu positivamente é porque não é um gênero que eu costumo assistir. Essa ideia de que um dia você simplesmente encontra alguém, se apaixona, e é recíproco é dolorosa demais para mim porque nunca aconteceu e eu duvido muito que vá. Mas, pelo Martin Freeman aqui estou eu me desafiando. Para quem tem costume de ver filmes assim, talvez não seja nada muito fora do padrão. O que não faz dele menos agradável de assistir.

Charlie (Martin Feeman) é um fofo, o primeiro contato que temos com ele é no casamento da irmã Liza (Shannon Woodward) onde ele está muito feliz, e obviamente tentando evitar o sentimento. E falhando no processo. Quem o ajuda a manter o controle é Cooper (Jake Lacy), irmão e muito amigo dele e quando não é possível evitar o desmaio ele está pronto para evitar que Charlie se machuque na queda.

Ele vai vivendo bem, dentro do que a doença permite, até o caminho de Francesca (Morena Baccarin) cruzar com o dele (sim, eles se encontram por acaso). A mulher esbanja animação por onde passa e está sempre com um sorriso no rosto. Nem preciso dizer que ela tem uma dor grande na vida também, né? Muito comum em pessoas que tentam sempre demonstrar que estão felizes, Francesca sofre com a doença terminal de sua tia Sylvia (Jane Curtin).

À princípio ele esconde sobre a sua doença, mas logo no primeiro encontro, depois que a alegria pela conquista faz Charlie ficar paralisado, cair e terminar na emergência do hospital, tudo vem à tona. A mulher, no entanto, não fica brava com ele e sim preocupada e mesmo depois que Charlie abre o jogo, Francesca continua por perto.

Entretanto, Charlie se recusa a ter um relacionamento com ela e sugere que Cooper é uma companhia bem melhor. O irmão aceita a sugestão e enquanto está tentando conquistar o coração da moça surge Bethany (Melissa Rauch), colega de trabalho de Francesca e segundo Cooper, companhia ideal para Charlie por ser uma mulher bem mais calma (entediante, na verdade).

Os relacionamentos parecem estar indo bem até Liza voltar da lua de mel e lembrar aos irmãos sobre o presente de padrinho de casamento que ela e o marido deram a eles. É uma viagem de final de semana com direito a acompanhante onde tudo pode acontecer. Inclusive muitas revelações e reviravoltas.

Geralmente é esse ponto nos filmes desse gênero que me incomodam. É um gatilho enorme para a minha ansiedade quando as coisas simplesmente começam a dar errado, tem um drama enorme, geralmente provocado pela falta de comunicação entre as pessoas, ou falta de empatia... e é por isso que esse filme me conquistou.

Tem drama, crises e afins? Tem. Mas acontecem de forma tão suave que não me deixaram desconfortável. Pude ter pena, torcer pelos personagens e ficar feliz com o desfecho sem me sentir mal. E que final fofo! Com direito a uma pequena cena pós-créditos que é puro amor. Se chorei foi pela mistura de “Deus me livre”, com “quem me dera”.

Vim pelo Martin Freeman e fiquei com o coração quentinho, além de dar algumas risadas, com essa comédia romântica que merecia muito mais atenção. Ode to Joy é aquele filme que te abraça e até consegue despertar esperança em algumas pessoas. No meu caso só fiquei feliz pelos personagens e feliz que exista quem viva a felicidade de encontrar um amor (já perdi quase toda a esperança).

Recomendo para quem está procurando um filme leve, com um pouquinho de drama, mas com alguns risos e muito amor.

Título: Ode to Joy (É Culpa da Alegria)
Direção: Jason Winer
Gênero: Comédia, Romance, Drama
Duração: 97 minutos.
País: EUA
Lançamento: 30 de Outubro de 2019 (Brasil)
Trailer: Ode to Joy (2019) | Legendado (Youtube)
 

Já conheciam? Vocês tem costume de assistir comédia romântica?

9 comentários:

  1. Menina, não perca a esperança de encontrar um amor. Eu também era assim e super te entendo, mas tudo acontece quando tem que acontecer, eu sei que é frustrante, mas tenho certeza que você ainda será muito feliz nesse quesito, fico aqui na torcida hihi ♥
    E eu super gostei do filme, mesmo sendo leve achei que é diferente dos romances que a gente vê por aí. Achei bem interessante isso do personagem ter cataplexia. Fiquei real com vontade de assistir, vou tentar achar pra baixar hehe :)

    https://www.heyimwiththeband.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei lá Valéria... perder a esperança completamente a gente não consegue perder. Mas se for olhar as chances reais em comparação com meu histórico, acho que não tenho muitas... rsrs... Mesmo assim obrigada pela torcida ♥

      Um dos problemas com os filmes do Martin é a dificuldade pra encontrar na hora de assistir, mas raramente me decepciono, mesmo quando não é meu gênero favorito. Reassisti esse filme ontem porque gostei demais mesmo! Espero que você consiga assistir! ;)

      Excluir
  2. Aaaaaaaaaah, quero ver só por ter o Martin *_*
    Eu ando sem muita paciência pra comédia romântica também, mas vou colocar essa na minha lista. Provavelmente vou sair do filme tão empolgada quanto você. :)

    Um beijo,
    Fernanda Rodrigues | contato@algumasobservacoes.com
    Algumas Observações
    Projeto Escrita Criativa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tô assim agora também! O Martin participa, quero ver! Hahahaha...
      Sabe que eu não sou muito fã do gênero, mas achei essa bem levinha, sem aquele dramalhão. Já assisti de novo e já sei que vou ver mais vezes!

      Beijos;

      Excluir
  3. Parece ser um filme delicioso de assistir.

    Boa semana!

    O JOVEM JORNALISTA está no ar com muitos posts e novidades! Não deixe de conferir!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sim! Já assisti mais uma vez e verei outras!

      Boa semana para você!
      Até mais;

      Excluir
  4. Oi
    nem conhecia, mas que bom que curtiu e já reparei que você é fã mesmo do Martin Freeman, já vi várias dicas de filmes dele por aqui.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise,
      Eu gostei bastante! Menina, encontrei um ídolo pra mim como há muito tempo eu não tinha...hahahaha... adoro assistir os trabalhos dele! Sinto aquele quentinho no coração, mesmo quando ele faz papel de malvado.

      Excluir
  5. Menina!Sou como você:Tem Martin?Eu assisto!Amei esse filme,dei muitas risadas e morri de inveja da Morena Baccarin!rsrsrs.Mas o problema de se apaixonar por Martin Freeman é que a gente fica mais exigente com relação a homens,né?Ele eleva muito o padrão!Inteligente,talentoso ,lindo demais!

    ResponderExcluir

Agradeço muito a sua visita! Deixe um comentário!

- Atenção: Ao comentar você concorda com as políticas de comentários do blog.
Saiba mais: Políticas de Comentários.

Todos os comentários são revisados antes da publicação.
Obs: Os comentários não publicados pela autora não refletem a opinião do blog.